sábado, 28 de fevereiro de 2009

Betes?


Um dos objetivos deste bloco é manter viva a secular prática do Jogo de Taco. Como este esporte nada tem de complicado - aliás, se destaca por sua simplicidade -, não é necessário fazer nenhuma profunda pesquisa na internet para conhecer um pouco mais acerca do assunto. Façamos como a maioria dos universitários de nosso país e contentemo-nos com a boa e velha wikipédia.

Depois de descartar o saboroso prato da cozinha mexicana, acima, você será redirecionado para o artigo "Bete-ombro" (??). Bueno, nessa luta contra as lan houses e seus jogos de computador, que tiram nossos guris das ruas e, consequentemente, os afastam dos gritos de "tempo a dois" e "bolinha perdida", os componentes do bloco têm se dedicado a aprender ainda mais sobre o tão popular esporte. Uma das recentes descobertas foi a de que, em grande parte do Brasil, o Taco é conhecido assim, como Bete-ombro ou Jogo de Betes.

Mas não vamos nos estender mais. Vale a pena ler o artigo da wiki.

Destaque para dois trechos. O primeiro, que explica a origem do nome de nosso bloco de carnaval:

"Regra do 'pra trás'
Se a bolinha encostar no taco e for para trás do círculo do jogador que tentou rebater, é contado uma para trás. Quando for contado 3 para trás os jogadores perdem os tacos.Caso o jogador que fez a 'pra trás' rebater a bola pra frente não conta e segue-se o jogo normalmente(mas isso depende do acordo feito antes do jogo)."

E um outro, que traz uma curiosidade:

"Uma expressão comum no estado do Paraná é 'largar os betes', que significa desistir de algo ou indignação. Por exemplo: 'Se Tropa de Elite não ganhar o Oscar, bom, aí eu largo os betes.'."

Repertório: Vou festejar




Vou Festejar, de Beth Carvalho, bastaria por seu poder evocativo. Mas, além dos significados que por si só carrega, a música traz lembranças especiais ao componente Pierrot Solene.

Era uma situação em que a vingança cantada era tudo o que se podia fazer contra uma tremenda injustiça, no Rio de Janeiro, nos idos de 2003.




Cante com a Beth:

Chora
Não vou ligar
Não vou ligar
Chegou a hora
Vais me pagar
Pode chorar
Pode chorar
Mas chora
Chora
Não vou ligar
Não vou ligar
Chegou a hora
Vais me pagar
Pode chorar
Pode chorar...

É, o teu castigo
Brigou comigo
Sem ter porquê
Eu vou festejar
Vou festejar
O teu sofrer
O teu penar...

Você pagou com traição
A quem sempre
Lhe deu a mão...(2x)

Mas chora
Chora
Não vou ligar
Chegou a hora
Vais me pagar
Pode chorar
Pode chorar...(2x)

É, o teu castigo
Brigou comigo
Sem ter porquê
Eu vou festejar
Vou festejar
O teu sofrer
O teu penar...

Você pagou com traição
A quem sempre
Lhe deu a mão...(2x)

Laraiá Laraiá
Lá Laiá Laiá
Laiá Laiá
Laiá Laiá
Eu vou festejar
Vou festejar
O teu sofrer
O teu penar...

Você pagou com traição
A quem sempre
Lhe deu a mão...(2x)

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Taco pelo mundo: nativos de SC resgatam jogo arcaico

No domingo, oito dias depois do lançamento do Três pra trás, o renascimento do taco já tinha alcançado a Lagoa de Ibiraquera, em Imbituba, no litoral sul catarinense.

Os nativos resgatavam uma modalidade arcaica, muito difundida no século 12, em que o tripé fica disposto não atrás, mas ao lado do buraco.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Salve o Salgueiro


Em nota oficial assinada pelo presidente Javé Pagão, o Três pra trás congratulou o co-irmão carioca Acadêmicos do Salgueiro, campeão do grupo especial do carnaval do Rio de Janeiro em 2009.

A escola recuperou-se do fraco desempenho do carnaval de 2007, quando, em um dos ensaios, a quadra alvi-rubra da Tijuca foi visitada por integrantes do Três pra trás. Não foi salva do 11o. lugar nem pelo fundo filosófico dos versos "Quem sou eu no universo?/Simples ser humano/Grão de areia no deserto/Gota d'água no oceano".

Teve mais sucesso com a simplicidade desse ano: "O som do meu tambor ecoa, ecoa pelo ar/E faz meu coração com emoção pulsar".

Ouça, na voz de Quinho, o samba de enredo Tambor:


sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

O grande encontro em imagens

Teve samba, suor e cerveja. Veja as fotos do lançamento do bloco:

Ver o Álbum completo

Repertório: Sonhar não custa nada

Considerando que nossa meta é vir a botar o bloco na rua, como diz aquele refrão, o Três pra trás construirá um repertório ao longo de 2009.

Para que os componentes aprendam a tocar ou, ao menos, a cantar as músicas, publicaremos aqui tudo o que convém.

Para começar, um dos clássicos do samba-enredo:

Sonhar não custa nada (ou quase nada), da Mocidade Independente de Padre Miguel, no carnaval de 1992.



A composição vai do lirismo romântico - Não custa nada sonhar/Viajar nos braços do infinito/Onde tudo é mais bonito/Nesse mundo de ilusão - aos versos pornográficos - Vem me querer/Delírio sensual/Arco-íris de prazer/Amor, eu vou te anoitecer.

Aprecie:

Sonhar não custa nada
O meu sonho é tão real
Mergulhei nessa magia
Era tudo que eu queria
Para ese carnaval
Deixe a sua mente vagar
Não custa nada sonhar
Viajar nos braços do infinito
Onde tudo é mais bonito
Nesse mundo de ilusão
Transformar o sonho em realidade
E sonhar com a mocidade
E sonhar com o pé no chão

Estrela de luz
Que me conduz
Estrela que me faz sonhar

Amor, sonhe com os anjos (não se paga)
Não se paga pra sonhar
Eu sou a noite mais bela
Que encanta o teu sonho
Te alucina por te amar (amar, amar)
Vem nas estrelas do Céu
Vem na lua de mel
Vem me querer

Delírio sensual
Arco-íris de prazer
Amor, eu vou te anoitecer

Eu vejo a lua no céu
A mocidade a sorrir
De verde-e-branco na Sapucaí

Cartografia

Apesar de se tratar de um bloco itinerante, os integrantes do Três pra trás se encontram uma vez por ano na Praia do Cassino, um fim-de-semana antes do fim-de-semana do Carnaval. A ocasião serve para que os fiéis façam sua peregrinação aos pontos de interesse marcados no mapa:


Exibir mapa ampliado

Indústria de camisas

Arlequim Autóctone e Paixão Côrtes, diretores da comissão de Indústrias Gráficas do bloco, produziram dezenas de camisas durante o lançamento do Três pra trás.

Paixão Côrtes também serviu de modelo para o logotipo, bem como para outros monumentos menos importantes.